segunda-feira, 4 de outubro de 2010

O chá das cinco e quarenta e cinco.

Espera.
Ele se via sempre sentado em uma cadeira. Espaldar reto. acabamento em madeira, estofado em veludo carmim. Apertava as bordas do estofado com as mãos brancas e frias feito gelo. Tremia. Ansiedade.

Agitava os pés de um lado a outro, em movimentos regulares. O coração batia em ritmo acelerado, o relógio emitia um característico tac a cada segundo. Simplesmente uma orquestra insuportável. Impossível.
Ele mais do que ninguém conhece seu íntimo. Conhece as vastas e escassas possibilidades "disso" acontecer em uma simples tarde de eleição. Uma simples tarde de domingo. O céu era cinzento e fazia um frio característico, o dia estava perfeito.

Ouvia, lia. Tudo com o mesmo pesar cinzento e monótono comum do dia-a-dia. Nada fugia do normal, ou escapava tentando criar a falsa ilusão de uma sensação de adrenalina. Monotonia, assim ele descrevia seu blazer e seus sapatos.
Ele sabe que poucas coisas o fazem sair dessa linha restrita. Não sabe ao certo o que ocorreu, o que lhe chamou a atenção. Se foi o doce inebriante das palavras, o suave de uma beleza perfeita ou o tom de uma gentileza rara e impecável. Encarava aquilo como uma perfeição absoluta e uma tentação incrível. Não são dias, são horas. Sabe que não é leviano, pois o afinco qual o qual pensa e sente não é comum. Não sabe mais o que dizer.

Só tem a certeza que irá de cabeça, pois pessoas e estados assim são tão comuns quanto quebrar primeiras impressões e descobrir um presente maravilhoso num dia de eleição em uma tarde cinzenta de um domingo frio de clima perfeito em plena primavera.

3 comentários:

Vic.tor disse...

And how can I stand here with you
And not be moved by you? /♫/
Would you tell me how could it be any better than this? /♪/


*-* Não poderia me expressar tão bem quanto você. Senão por uma música.

Anônimo disse...

A tinta escorre pela página, os dias se esvaem.
Olhe novamente para os pés planos e para aquele joelho curvo.
Eu senti falta de sua pele quando você estava no leste.
Você bateu seus calcanhares e torceu por mim.
É através de lábios alegres, feitos de fios,
que o frágil capricórnio desenreda palavras,
como traças em velhos cachecóis.
Eu sei que o mundo é cheio de falhas,
mas dissipe suas dores de cabeça, e chame-o de casa.

._.

Khmer guy disse...

Hello my friend, Your site is great, good job you do.

I also created many blogs but not good like yours, I mean the visitors.So

Please
could you exchange link with me?

Here are my blogs. you could choose to exchange ,

http://khmernewstoday.blogspot.com/

http://www.khmergay.net/